Defensoria Pública do Amazonas acompanha situação no Compaj e Ipat e orienta familiares de presos


Membros da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) estiveram, na manhã esta segunda-feira, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) para acompanhar o desfecho da rebelião e fuga de presos nas duas unidades, entre a tarde de domingo e a manhã de hoje. No local, os defensores públicos Arthur Macedo e Larisse Oliveira colheram informações da direção dos presídios e orientaram dezenas de familiares que aguardavam por notícias de presos.

De acordo com informações repassadas pela direção do Compaj e do Ipat, o Sistema de Segurança Pública retomou o controle das duas unidades por volta das 7h e concluiu a revista e recontagem de presos por volta das 11h desta segunda-feira. Os defensores públicos solicitaram a relação de presos mortos no Compaj e a direção informou que só será possível ter os nomes após identificação no Instituto Médico Legal (IML), pois há corpos carbonizados e esquartejados.

A estimativa da direção do Compaj é que foram 55 mortos, entre integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e condenados por estupro. A direção do Ipat informou que não houve vítimas e que, dos cerca de 80 foragidos, perto de 20 foram recapturados até por volta de 12h.

Familiares de presos que se aglomeravam na entrada do ramal de acesso aos presididos se queixavam da falta de informações. Mães, esposas e irmãs de presos são maioria à procura de notícias. O defensor público Arthur Macedo e a defensora pública Larisse Oliveira orie