Defensoria Pública atuará como assistente de acusação em caso de feminicídio para garantir a defesa


A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), por meio do Núcleo Especializado em Atendimento de Mulheres Vítimas de Violência Doméstica (Naem), vai se habilitar como assistente de acusação em um processo de feminicídio, para garantir a defesa da vítima. Nesta semana, a Defensoria foi procurada pela família de Josilene Ferreira de Araújo, assassinada pelo marido em 2016. Os familiares da vítima buscam a condenação do assassino e pedem auxílio para o acompanhamento do processo.

A morte de Josilene é apenas um dos milhares de casos em uma trágica estatística que coloca o Amazonas como o terceiro Estado do Brasil com maior proporção de casos de feminicídio a cada grupo de 100 mil mulheres residentes no estado, segundo indicadores apontados por levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O relatório traz dados sobre violência contra as mulheres, aplicação da Lei Maria da Penha e o poder Judiciário no país em 2017. O levantamento foi divulgado em junho deste ano. O Brasil é o quinto no mundo em feminicídio.

Encaminhada pela Comissão da Mulher da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), Laide Ferreira de Lima, mãe da vítima, procurou o Naem na última segunda-feira e relatou que não estava tendo acesso ao andamento do processo que apura a morte de sua