Estelionatários usam sites de anúncios para “roubar” compradores


Defensoria Pública orienta para sinais de fraude e cuidados a serem tomados antes de efetuar pagamento

Você entra no site de anúncios para comprar um produto, fecha o negócio e faz o pagamento, mas não recebe o bem e perde o dinheiro. Você acaba de ser vítima de um estelionatário, o famoso 171, que usa de má-fé para enganar. Histórias como esta têm chegando com frequência à Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) e já representam cerca de 20% das demandas atendidas pela área Cível, segundo a defensora pública Dâmea Mourão, que atua na 6ª Defensoria Pública de Atendimento Cível (6ª DPAC).

Para o metalúrgico desempregado há quatro anos, Mário (nome fictício), 45, a facilidade da internet acabou se tornando uma grande dor de cabeça e um prejuízo para o bolso. Em fevereiro deste ano, ele viu o anúncio de uma motocicleta sendo vendida por R$ 8 mil em um dos principais sites para anunciantes e fechou o negócio por telefone com uma pessoa que se identificou como “José Orlando” e se apresentou como dono do veículo.

“José Orlando”, o estelionatário, disse que era servidor público e, por não estar em Manaus, mas a serviço em Roraima, quem mostraria a moto a Mário seria um intermediador da venda, identificado como Sr. Neri. “Geralmente, esses estelionatários se apresentam com profissões como servidor público, policial ou militar. Talvez como uma forma de passar maior credibilidade ou até de provocar certo medo na pessoa com quem estão negociando, quando esta quiser questionar algo”, afirma a defensora Dâmea Mourão.