Defensoria Pública identifica demandas da população em Nova Olinda do Norte



Em visita ao município, defensores públicos do Polo do Médio Madeira, que tem sede em Manicoré, avaliaram a situação da cheia e o funcionamento de órgãos públicos de assistência social


Defensores públicos do Polo do Médio Madeira, com sede em Manicoré, estiveram nesta semana em Nova Olinda do Norte para identificar demandas da população. A visita teve como foco avaliar os impactos da enchente do rios no município para a tomada de medidas junto à prefeitura e ao Estado do Amazonas com o objetivo de assegurar assistência aos moradores de locais mais atingidos. Mas também serviu para aproximar ainda mais a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) da comunidade e intensificar o diálogo com as instituições públicas no município.

“Avaliamos medidas referentes à enchente, sondamos sobre a liberação de recursos do Estado para assistência às famílias atingidas pela cheia, verificamos a necessidade de oficiar os órgãos públicos para receber mais informações e aproveitamos a oportunidade para iniciar conversas visando parcerias com os equipamentos públicos do município”, afirmou o defensor público Leandro Antunes de Miranda Zanata, que foi ao município juntamente com o defensor André Azevedo Beltrão.


Com o apoio da Defesa Civil, os defensores visitaram na segunda-feira (17) os bairros Santa Ana e Santa Luzia, mais afetados pela enchente na zona urbana. “Conversamos com as pessoas do bairro e entregamos panfletos sobre a atuação da Defensoria. Também nos reunimos com prefeito, vice-prefeito e secretários de Defesa Civil, da Segurança Pública e de Assistência Social para tratar de assuntos relacionados à enchente, como recursos, ações tomadas, auxílios, necessidades etc”, explica o defensor.


Na terça-feira (18), os defensores participaram de entrevista à rádio Nova FM, quando apresentaram a Defensoria e informaram como a população pode ser atendida. Os defensores ainda visitaram a comunidade São José do Jerônimo, na zona rural, às margens do rio Urariá. “Conhecemos os principais problemas: água, alimentação, plantações, energia etc. Também entregamos os nossos panfletos sobre a atuação da Defensoria”, disse Leandro.


Os defensores também fizeram visitas a órgãos públicos do município, principalmente os voltados à assistência social e iniciaram diálogos com o intuito de alinhar parcerias. No Conselho Tutelar, trataram sobre alinhamento dos casos que são reportados. Em visita ao Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), os defensores conversaram sobre o fluxo de atendimento nos casos de violência.


Também foram realizadas visitas à Secretaria de Assistência Social e ao Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), para conhecer os serviços prestações para a população local, além da delegacia, para averiguar a situação carcerária.


FOTOS: Divulgação/DPE-AM


54 visualizações