Representação contra líder comunitário de Nova Olinda do Norte segue para a Justiça Federal



Liderança de comunidade extrativista que foi indiciado por envolvimento em conflitos na região teve prisão preventiva convertida em domiciliar


Atendendo a pedido da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), no Polo do Madeira, a juíza de Nova Olinda do Norte, Lina Marie Cabral, declinou competência à Justiça Federal para análise de representação contra indiciado por envolvimento em conflito em Nova Olinda do Norte (distante 135 quilômetros de Manaus). O homem, que é líder comunitário na região e estava preso na delegacia do município, teve a prisão preventiva convertida em domiciliar, até uma decisão da Justiça Federal. A decisão foi assinada no dia 24 de agosto.


No dia 20 de agosto, a DPE-AM ingressou com petição requerendo o processo e julgamento do caso pela Justiça Federal, além da revogação da prisão preventiva, com concessão de liberdade provisória do indiciado. A petição da Defensoria requer, ainda, o trancamento do inquérito policial contra o assistido, “em razão da evidente ausência de indícios de autoria e de prova de materialidade”, e a apuração de denúncia de prática de tortura e violação de direitos humanos nas comunidades.


Nos argumentos apresentados na petição, a Defensoria apresenta uma contextualização do histórico de conflitos preexistentes na região do rio Abacaxis, que envolvem, de um lado, comunidades indígenas e ribeirinhas, com processos de demarcação de terras para duas etnias e assentamentos extrativistas, e de outro, interesses particulares relacionados ao tráfico de drogas, garimpo ilegal e exploração da pesca esportiva ilegal. Como o contexto envolve questões da competência da esfera federal, a DPE-AM, considera que o caso deve ser julgado pela Justiça Federal.


Na petição, a Defensoria argumenta que o indiciado é um líder associativo que presta relevantes serviços às comunidades localizadas no rio Abacaxis e que há anos vem trabalhando junto ao Ministério Público Federal (MPF) e órgãos federais na utilização de protocolos de consentimento informado das comunidades e no combate à exploração ilegal de área de reserva de populações tradicionais.


Em sua decisão, a juíza de Nova Olinda do Norte, afirmou que, somente após a manifestação da Defensoria Pública e do parecer do Ministério Público, ficou claro que o caso não se resume a confronto entre policiais militares e grupo de criminosos, mas de um complexo conflito que envolve indígenas, populações tracionais e pessoas que buscam utilizar a região para a prática de pesca esportiva. “O que sem dúvidas gera a incompetência da Justiça Estadual diante dos bens jurídicos afetados”, citou.


A magistrada ressalta ainda que os documentos apresentados pela Defensoria mostram que a região em que ocorreram os conflitos localiza-se em uma área em que se tem unidades de conservação federais (Estação Ecológica Alto Maués, Parque Nacional Acari, Floresta Nacional Pau-Rosa, etc), projetos de Assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) (P.A.E [Projeto de Assentamento Extrativista] Abacaxis I e II) e terras ocupadas por indígenas ainda em processo de demarcação.


Prisão domiciliar


Para decidir sobre a conversão da prisão preventiva em domiciliar, a juíza considerou a ausência de condições da Delegacia de Nova Olinda do Norte para custodiar presos e a existência de ação civil pública movida pelo Ministério Público requerendo a interdição e transferência de todos os custodiados para unidades prisionais da capital. Dessa forma, a magistrada determinou que o líder comunitário fosse removido para prisão domiciliar até a deliberação do Juízo Federal competente.


O indiciado já se encontra na residência dele. “Local em que poderá receber o tratamento médico e psicológico adequado, tendo em vista que até a presente data não houve resposta ao ofício enviado para a Secretaria de Assistência Social para disponibilização de psicólogo para avaliar o custodiado”, cita a decisão.


A magistrada ressalta que a prisão domiciliar tem como objetivo exclusivo “garantir a efetiva integridade física do indiciado, não tendo qualquer ingerência em posterior decisão do Juízo competente que pode entender de forma diversa”.


Fotos: Reprodução/Prefeitura de Nova Olinda do Norte

28 visualizações
INSTITUCIONAL
Please reload

DIÁRIO OFICIAL
Please reload

CONSELHO SUPERIOR
Please reload

LEGISLAÇÃO
SERVIÇOS
Please reload

IMPRENSA
Please reload

Please reload

Avenida André Araújo, nº 679 - Bairro Aleixo
CEP 69060-000 | Manaus - Amazonas