Saiba como funcionam os afastamentos de colaboradores por Covid-19 na DPE-AM

Central Covid-19 é responsável pelo monitoramento, avaliação e deliberação sobre os afastamentos de profissionais da Defensoria relacionados ao coronavírus


Passado mais de um ano da pandemia, os riscos de contágio do coronavírus continuam sendo uma das preocupações da Administração da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM). Com isso em mente, a instituição criou, ainda em setembro de 2020, a Central Covid-19. Essa é uma unidade composta pelas diretorias Administrativa, de Controle Interno e de Planejamento da DPE-AM, sendo responsável pelo monitoramento, avaliação e deliberação sobre os afastamentos de profissionais da Defensoria relacionados à doença.


A comunicação de casos suspeitos ou confirmados deve ser feita preenchendo um formulário, disponível no site da DPE-AM, mediante login do e-mail institucional. Tudo deve ser comunicado pela chefia imediata à Central Covid-19. Para acessar o formulário, clique aqui.


Após a comunicação via formulário, a Central Covid-19 informará ao chefe imediato, no prazo de 24 horas, os procedimentos posteriores. Quando há um caso confirmado de Covid-19 e, consequentemente, o afastamento, o servidor só continua trabalhando em casa se o parecer médico atestar a possibilidade de exercer suas atividades.


Visando garantir a segurança de todo o quadro profissional da Defensoria, após o período de afastamento, é exigido do profissional um exame laboratorial ou parecer médico comprovando a segurança do retorno às atividades na instituição.


Mais informações sobre a Central Covid-19 podem ser obtidas na cartilha da Central Covid-19, clicando aqui.


Cuidados


Com a retomada gradual do trabalho presencial nas unidades e núcleos da Defensoria, a Administração tem trabalhado para garantir que os espaços estejam atendendo as recomendações sanitárias de limpeza e desinfecção de equipamentos e estrutura física. Entre outros cuidados, os layouts das unidades da DPE-AM também foram ajustados para atender à distância mínima segura de 1,5m entre as pessoas durante as atividades administrativas e atendimento ao público.


Na sede administrativa, onde os atendimentos presenciais já retornaram, o acesso de assistidos é controlado com aferição de temperatura pelo termômetro digital, a utilização de máscaras e a higienização das mãos com álcool em gel.


Foto: Clóvis Miranda/DPE-AM

97 visualizações